Bastidores do Cirque du Soleil

Se você é fã do Cirque du Soleil, com certeza você já se perguntou sobre como devem ser os bastidores do espetáculo e o dia a dia dos atores e atrizes (e também da equipe técnica) nos momentos em que o show não está acontecendo. A equipe do Em Cartaz esteve presente no ExpoTrade Pinhais, onde o espetáculo Corteo está acontecendo até o dia 15 deste mês, e pode conhecer um pouco de como é o show do outro lado das cortinas. Confira:

Vestuário

(Crédito: Tamie Ono Lor)

Um dos grandes destaques do Cirque é o vestuário. Cada ator e atriz conta com uma fantasia feita às suas medidas no “quartel general” do espetáculo, que fica em Montreal, no Canadá. É lá que cada integrante dos diversos shows do Cirque inicia sua preparação e suas fantasias começam a ser confeccionadas. No caso de algum artista ser substituído, o novo integrante passa pelo mesmo ritual de ir até Montreal e depois se juntar ao espetáculo – é possível até mesmo que a roupa chegue junto com o artista!

Devido ao tamanho dos shows, cada espetáculo conta com uma equipe própria de costureiras e roupeiras que cuidam das fantasias durante as turnês. No caso de Corteo, que é o maior espetáculo de todos do Cirque em termos de estrutura, são quatro pessoas que cuidam dos figurinos: uma coordenadora de figurinos, uma costureira, uma maquiadora e uma sapateira.

Estúdio para retoques e consertos nos calçados (Crédito: Tamie Ono Lor)

Para a equipe de figurinistas trabalhar, o show conta com uma ampla estrutura para manutenção das roupas e dos sapatos, digna dos melhores alfaiates, sapatarias e lavanderias do mundo. Além disso, não bastasse já a grande quantia de fantasias e calçados, o espetáculo ainda conta com peças e sapatos reservas caso algum item seja muito danificado e precise de mais tempo para ser recuperado.

Trocas de roupa

Fantasias na área de “quick change” (Crédito: Tamie Ono Lor)

Durante o espetáculo, muitos atores utilizam mais de uma fantasia e, para realizarem essa mudança de forma ágil e rápida, o palco conta com áreas chamadas “quick change”, que são uma espécie de vestiário com as vestes dos atores já prontas para serem usadas.

No caso do palco de Corteo, que atravessa a tenda e a divide no meio, são duas áreas de “quick change”, uma em cada ponta do palco. Para auxiliar os atores, o Cirque contrata temporariamente pessoas da cidade onde o espetáculo está – em Corteo, são quatro pessoas, duas que trabalham durante o dia, duas durante a noite.

Uma curiosidade: no caso de Corteo, onde a platéia fica em volta do palco, embaixo das cadeiras há corredores que conectam um vestiário a outro. Ou seja, enquanto o público acompanha as acrobacias e malabarismos no palco, os atores estão correndo debaixo deles!

Treinamento dos artistas

Tal qual o vestuário, os atores e atrizes também realizam a sua preparação inicial em Montreal e a continuam durante a turnê. Cada show conta com uma área dedicada para os artistas treinarem e manterem o físico em dia, além de poderem estudar em vídeo suas performances anteriores e também relaxar.

Com a palavra, Ellen Flatters

Na oportunidade, a equipe do Em Cartaz conversou com a australiana Ellen Flatters, que é a coordenadora de figurinos de Corteo, seu segundo espetáculo dentro do Cirque. Confira o bate-papo com Ellen:

Fábio Torres
Fábio Torres
Fábio é formado em jornalismo e especialista em Novas Tecnologias. Sua paixão é o esporte, mas por conta da convivência se viu cercado pelas artes e se deixou levar pelos acordes musicais diferentes.