Luzes neon

As luzes coloridas vão tomar conta do espaço Soma Galeria. O artista Ale Mazzarolo apresenta a sua exposição “Ruído” com curadoria de Vinicius Fad.
O artista paranaense Ale Mazzarolo produz sua arte através de luzes neon coloridas. Quem visitar a exposição, a partir desta terça-feira (26), poderá apreciar as criações em tubos de vidro contorcidos (alguns até são entrelaçados ou sobrepostos) de luzes neon em formas geométricas variadas e com uma gama de cores determinadas para transmitir um conceito. Nesta exposição, estarão presentes alguns trabalhos de séries desenvolvidas pelo artista, entre elas a série Volt(A), cujo nome sugere uma relação entre contorção (“Volta” como sinônimo de curva, viragem, torção) e tecnologia (“Volt”, a unidade de tensão elétrica, o potencial de transmissão de energia).

Muitas obras de Ale Mazzarolo estarão penduradas nas paredes da SOMA Galeria e possuem um anteparo plano, podendo dar a ideia de que seriam como quadros, mas as associações terminam por aí, pois suas obras são esculturas. “Sua produção desenvolve-se por meio da conformação espacial, através da dissimulação do suporte acadêmico, o consequente tensionamento entre as disciplinas clássicas das artes visuais e o conhecimento gráfico de composição orgânica com destaque para o equilíbrio, a justaposição e o contraste”, afirma o curador Vinicius Fadel.
Algumas obras lembram elementos arquitetônicos, outras simulam a percepção de uma profundidade. O nome da exposição, “Ruído”, faz uso de um termo que prevalece sobre as obras da exposição e é definido pelo curador Vinicius Fadel como “autêntico e provocativo”. “Surge hora em composição livre, hora como declaração assertiva”, explica.

Serviço

Exposição “Ruído”, de Ale Mazzarolo
Data: A partir de 26/02/2019
Horário: de segunda a sexta das 10h às 19h. Sábados das 10h às 17h.
Local: SOMA Galeria (Rua Saldanha Marinho, 1.230 – Centro)

Entrada gratuita

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.