Transáveis

O Teatro Guaíra vai sediar a exposição “Transáveis“, idealizada e executada pelo Coletivo Brutas. A mostra acontece entre os dias 05 de dezembro e 20 de janeiro e tem o objetivo de apresentar cinco jovens artistas (Erica Storer, Estelle Flores, Gio Soifer, Jéssica Luz e Paula Calory) que expressam sentimentos, histórias e instigam as observações sociais, políticas e, sobretudo, a respeito da vida. A mostra vai apresentar em cinco atos uma experiência o diálogo de corpos através da arte, mesmo que de maneira transitória e a partir de uma realidade física e com seus vazios a serem preenchidos.
O que é o desejo e como ele é construído no indivíduo por meio dos produtos da mídia e sociedade, é um dos pontos-chaves da narrativa proposta pela “Transáveis“. Além disso, a exposição vai sugerir que o participante descubra novas formas de se conectar com a sexualidade de forma não-falocêntrica e não-binária, rompendo o senso comum construído e manipulado por meio de processos da mídia e da sociedade. A mostra promete surpreender os visitantes muito além do prévio significado do nome, buscando reverter a inibição a partir da experiência do indivíduo. Para o coletivo, o sexo é uma forma de poesia, interpretada e vivida diferentemente por cada um, sem padrões, sem preceitos.
Muito mais do que o desejo carnal potencializado pela mídia, a exposição resulta da prática de criação do coletivo Brutas na qual os desejos e subjetividades de cada integrante se somam para uma concretude da obra imaginada. Com entrada gratuita, a “Transáveis” é um convite para adentrarmos com nossos corpos na consciência de uma ideia que se faz corpo. Eloquência, sedução, graça, flerte, desejo, tudo isso habitando reinos e sendo contraste pelo rito – a mediação – que nos lembra que habitamos, também com nossa realidade física, um mundo imaginado.

Sobre o coletivo
Com a subjetividade que cada um desses corpos carrega, formamos um microcosmo. Nosso território comum são as palavras, nosso vocabulário revela a nossa história. A experiência coletiva é tecida por meio da memória compartilhada, uma história que só se escreve a partir de pontos de vista diferentes. As coisas que materializamos vão de encontro a problemáticas da esfera pública, porque partem de uma situação intrinsecamente pública. Compartilhar é político e no próprio gesto de convergir, vivemos a utopia de ser o corpo coletivo. Isso move, até porque cinco corpos juntos não ficam parados. A potência do nós como solução transborda para a potência do nós como pergunta, como voz ativa em uma investigação maior que é a vida. E a vida é a vida em coletivo.
Serviço
Exposição “Transáveis”
Data: De 05/12 a 20/01/2019
Horário: das 15h às 20h, e aos domingos, das 17h às 20h
Local: Teatro Guaíra (Rua XV de Novembro, 971 – Centro)
Entrada gratuita

Fábio Torres
Fábio Torres
Fábio é formado em jornalismo e especialista em Novas Tecnologias. Sua paixão é o esporte, mas por conta da convivência se viu cercado pelas artes e se deixou levar pelos acordes musicais diferentes.