Crítica: A Favorita


Antes mesmo de estrear nos cinemas brasileiros os cinéfilos já estavam curiosos com o novo filme de Yorgos Lanthimos. A Favorita, um drama de época, vem agradando críticos e é uma forte aposta para concorrer ao Oscar.
A trama do longa metragem é baseado na chegada de Anne, da Grã-Bretanha, ao trono. Em A Favorita, o foco é na segunda metade do governo da Rainha onde ocorre a Guerra da Sucessão Espanhola. O espectador acompanha a situação do ponto de vista da Corte, onde Rainha Anne (Olivia Colman), é manipulada por Sarah Churchill (Rachel Weisz), a Duquesa de Marlborough, que se passa como conselheira e confidente e é quem realmente comanda a situação. Mas a situação toma novos rumos com a chegada de Abigail Masham (Emma Stone), uma serva ambiciosa,que se aproxima da monarca. Vendo sua posição ameaçada a batalha entre Sarah e Abigail começa para saber quem é a favorita.

O grego Yorgos Lanthimos (O Lagosta) mantém elementos de direção já conhecidos como a cenas absurdas, humor pesado e sensação constante de desconforto. O padrão inquietante continua presente em seu novo trabalho, contudo em A Favorita a tensão contém um tom mais moderado que se mostrou mais acertado.
O longa-metragem foi escrito por Tony McNamara e Deborah Davis que aproveitaram a direção inquietante de Yorgos e mesclaram com um humor ácido que serviu de respiro necessário para a trama sombria de história e política. Um dos maiores acertos é a divisão de capítulos que ajuda na hora de contar a história e ao mesmo tempo faz com que o público não perceba as duas horas de filme.
Outro detalhe que faz com que A Favorita se destaque é a fotografia de Robbie Ryan. Ele aposta cenas feitas com a grande angular e detalhes com a lente fisheye que faz com que o público possa aproveitar cada detalhe de cena em uma maior extensão. Junto com isso, é impossível não se encantar com o figurino de época que faz parte da composição das personagens.


O filme já ganhou o prêmio de melhor elenco no Critics’ Choice Awards 2019. Com a presença de três grandes atrizes formadas por Rachel Weisz, Emma Stone e Olivia Colman. O trio está impecável, afinal cada uma conquistou seu espaço para brilhar. Rachel Weisz se destaca já nos primeiros momentos do filme com sua habilidade de manipulação e ironia. Já Emma Stone passa por transformações, e vai mostrando seu poder conforme vai ganhando espaço na trama, mas a maior atuação fica para Olivia Colman que apresenta uma rainha que servirá de divisor de água na sua carreira.
A Favorita aposta no jogo de poder e desejo e com isso tem conquistado críticos e agora chega aos cinemas para que os brasileiros também possam dar a sua opinião.
Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.