Crítica: A Vida em Si


A mensagem do filme “A Vida em Si” está presente em diversos filmes, a que a vida é difícil e que precisamos aprender a nos reerguermos e buscar seguir em frente.
Vida em Si é possui uma narrativa que é construída aos poucos, até que as histórias se cruzam. O filme é dividido em capítulos com histórias que se passam em Nova York e na Espanha. A primeira parte acompanhamos Will (Oscar Isaac) e a sua relação amorosa com Abby (Olivia Wilde) que começa ainda na faculdade, passa pelo casamento e a gravidez.


No segundo capítulo conhecemos Dylan (Olivia Cooke) uma adolescente diferente que vive com seu avó. Dylan carrega um luto, mas seu arco narrativo é curto e sua história não se desenvolve como deferia para te fazer entender melhor sobre as angústias da adolescente.
O terceiro capítulo dá um pulo e vamos parar na Espanha, onde conhecemos o maior núcleo de personagens do filme. São duas histórias interligadas com Sr. Saccione (Antonio Banderas) e do casal Isabel (Laia Costa) e Javier (Sergio Peris-Mencheta). Por ser o capítulo mais longo, a história perde o ritmo e acaba demorando muito para que a história tenha um desfecho.
O último capítulo te faz acompanhar a vida de Rodrigo (Álex Monner), filho de Javier e Isabel, que é responsável por conectar as histórias.


Dan Fogelman, criador da série “This Is Us”, sabe trabalhar com as relações humanas e traz isso para o roteiro do longa-metragem. A obra é dividida em cinco capítulos, cada qual focando em uma pessoa sendo que todas estão entrelaçadas de alguma forma. Assim como a vida o filme tem momentos de felicidade e momentos de tristeza
A comparação do filme com a série “This Is Us” é inevitável. Fogelman utiliza muitos elementos que dão certo na televisão e traz para o cinema, mas nem sempre isso funciona. Tive a impressão que os arcos narrativos e algumas cenas já foram vistas antes, por ter uma ligação direta com o seriado.
A Vida em Si busca se assemelhar com a realidade, onde uma coisa pode mudar o seu destino, mas tudo isso de forma sensível onde a relação humana ganha ainda mais destaque. É aquele filme para assistirmos e refletirmos sobre as nossa próprias escolhas.
Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.