Crítica: Adoráveis Mulheres

Está chegando ao cinema mais uma adaptação cinematográfica do clássico livro Mulherzinhas, escrita por Louisa May Alcott. O filme Adoráveis Mulheres (Little Women) reúne elenco de peso e conta a história se quatro irmãs, com personalidades diferentes. Que vivem a emoção da transição da infância à vida adulta.

A nova adaptação para a telona apresenta quatro irmãs com temperamentos distintos e ligadas pelo amor entre elas. Jo (Saoirse Ronan) é uma garota à frente de seu tempo e busca na escrita a melhor forma de enxergar a sua realidade. Já Meg (Emma Watson) é mais tradicional e ligada aos costumes da época e sonha em encontrar um marido e ter filhos. Beth (Eliza Scanlen) é a mais tranquila dentre as irmãs e seu maior interesse está na música e a caçula May (Florence Pugh) se interessa por pintura e é a mais ousada de todas. Entre as descobertas da idade, as jovens aprendem com a mãe (Laura Dern) sobre a vida, elas também se divertem com o Sr. Laurence (Chris Cooper) e seu neto Laurie (Timothée Chalamet) que são vizinhos e possuem um padrão de vida mais elevado.

Little Women foi publicado em 1868, logo após a Guerra Civil dos EUA, mas o livro é um clássico e já ganhou várias adaptações para cinema, teatro e até versão animada japonesa. Adoráveis Mulheres é a sexta adaptação do livro de Louisa May Alcott para as telonas. As duas primeiras obras foram adaptadas durante o cinema mudo, em seguida vieram as versões de George Cukor (1933), Mervyn LeRoy (1949), Gillian Armstrong (1994) e agora a de Greta Gerwig.

A diretora Greta Gerwig, mesma de Lady Bird que contou com cinco indicações ao Oscar, tinha um grande desafio apresentar uma nova adaptação e Adoráveis Mulheres é apenas seu segundo trabalho, um passo ambicioso.

A nova adaptação optou por atualizar o linguajar das personagens, com frases marcantes, e apostou na riqueza do conteúdo. O novo roteiro transita entre o passado e o presente e a mudança se dá através de filtros de pós-produção.

Destaque também para a trilha de Alexandre Desplat, compositor francês, que ajuda a deixar a história ainda mais tocante. A direção de arte traz a riqueza da época assim como a escolha de figurino de Jacqueline Durran.

O longa-metragem se torna ainda mais especial pela escolha do elenco. Ter Laura Dern, Emma Watson e Meryl Streep em um mesmo filme não é para qualquer um. Mas o papel de maior destaque ficou com Saoirse Ronan (Um Olhar do Paraíso) que domina a cena e se sente natural ao interpretar Jo. A grande surpresa ficou com Florence Pugh (Midsommar) que está muito bem no papel da irmã ciumenta.

Adoráveis Mulheres é mais um sinal que o feminismo sempre esteve presente em grandes mulheres como Simone de Beauvoir e Jane Austen. Apesar da data da publicação, o discurso de Louisa May Alcott é atual e torcemos para que o filme tenha maior destaque no Oscar do que teve no Globo de Ouro.

Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.