Crítica: Assassinato no Expresso do Oriente


Um jogo de aparências e mistérios dão o tom do filme Assassinato no Expresso do Oriente (Murder on the Orient Express). O filme não é uma novidade já que o livro homônimo de Agatha Christie já foi adaptado para o cinema, mas o diretor e ator Kenneth Branagh busca apresentar a história para uma nova geração.
O Assassinato no Expresso do Oriente apresenta a aventura de Hercule Poirot (Kenneth Branagh) considerado o maior detetive do mundo. O investigador belga parte para Londres via o Expresso do Oriente, mas no caminho uma avalanche de neve interrompe a sua viagem. No trem um dos passageiros, Edward Ratchett (Johnny Depp) é misteriosamente assassinado e o detetive precisa investigar o crime e encontrar o culpado antes que o trem chegue ao seu destino. Entre os suspeitos está a sedutora Caroline Hubbard (Michelle Pfeiffer), o médico Arbuthnot (Leslie Odom Jr), a governanta Mary Debenham (Daisy Ridley), o professor alemão Gerhard Hardman (Willem Dafoe), a princesa Natalia Dragon (Judi Dench) e sua ajudante (Olivia Colman), a condensa e o conde Andrenyi (Lucy Boynton e Sergei Polunin), o contador Hector MacQueen (Josh Gad), Pilar Estravados (Penélope Cruz) e o senhor Edward Masterman (Derek Jacobi). Poirot precisa descobrir a razão do assassinado em meio a pistas falsas.


O longa-metragem não é novidade. O livro já ganhou versão para o cinema em 1974 e considerado uma das melhores adaptações de um livro de Agatha Christie com direção de Sidney Lumet (Doze Homens e uma Sentença). A nova versão passou por mudanças para dar um ar de novidade e possui um ambiente mais teatral e um roteiro é mais dinâmico, apesar de ser muito próximo ao livro.
Para dar um ar mais atual ao filme o diretor Branagh aposta em planos abertos de cenários, mesclados com os closes nos 12 suspeitos para criar um clima, a marcação de tempo fica por conta da ambientação de época presente no figurino, fotografia e a sonoplastia. O roteirista Michael Green apresenta um suspense que gira em torno do detetive Hercule Poirot e suas características particulares, assim como no livro, mas a niva versão traz cenas de ação que ajudam a dar mais dinamismo à história. O filme ainda é focado no mistério, contudo acha brechas para abordar temas como racismo, alcoolismo e a justiça.
A escolha de elenco focado em atores dos teatros britânicos é um chamariz a mais para a história. O maior destaque sem dúvida é de Kenneth Branagh que consegue encontrar um viés diferente do detetive interpretado por Albert Finney e apresenta um protagonista não tão ameaçador, mas utiliza as manias do detetive para trazer uma interpretação mais divertida. Assassinato no Expresso do Oriente conta com a atuação de grandes nomes como Michelle Pfeiffer, Judi Dench, Daisy Ridley,Johnny Depp, Josh Gad, Willem Dafoe e Penelope Cruz, todos se entregando aos personagens de forma coadjuvantes, onde só brilham quando são chamados a cena.


A nova aposta de Branagh começa como um filme que mistura comédia, mas que aos poucos vai misturando elementos de ação até chegar ao suspense. Os fãs de Agatha Christie podem achar que o filme não encanta tanto como as páginas escritas, mas para os leigos Assassinato no Expresso do Oriente é uma boa aventira de investigação, entretanto a procura pelo assassino é mais bem trabalhada do que a revelação final. Uma coisa é certa a sequência já está confirmada pela 20th Century Fox que traz as telonas a obra Morte no Nilo.
Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor

Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.