Crítica: Caminhando com Dinossauros

Estreia no começo de 2014 o filme Caminhando com Dinossauros (Walking with Dinosaurs: The Movie) é uma animação da Fox com direção de Neil Nightingale e roteiro de John Collee e Theodore Thomas. O longa-metragem baseado em uma série da BBC busca levar os espectadores para uma imersão ao mundo pré-histórico com efeitos 3D.
O filme começa com um adolescente mal humorado (Charlie Rowe) que está mais interessado em seu celular do que no seu tio, um paleontólogo (Karl Urban), que tenta despertar o sobrinho para a arte da escavação. Mas a animação realmente começa quando um pássaro vermelho e preto, Alexornis, nos leva para a pré-história e nos apresenta um pequeno dinossauro que luta para sobreviver.
O pequeno Pachyrhinosaurus, Pachi, que muitas vezes lembra a atitude de um cão bobinho, ruma ao Ártico Norte. Contudo, o dinossaurinho precisa se livrar dos predadores, lidar com seu primeiro amor e chegar são e salvo a vida adulta.
O filme tem elementos de documentário e é educativo já que explica os diversos tipos de animais pré-históricos, conforme eles vão aparecendo em cena. A ideia inicial do longa-metragem era que a história fosse contata apenas utilizando os sons e movimentos dos animais, contudo na versão teste eles viram a necessidade de incluir falas para tornar o produto mais interessante. As falas foram colocadas , contudo são bobinhas e ficaram estranhas já que os dinossauros nem mexem a boca em diversas cenas.
A animação é indicada para crianças, mas já aviso aos pais que algumas cenas podem assustar os pequenos. Foram investidos 80 milhões em Caminhando com Dinossauros e apesar do visual e o efeito 3D levarem o espectador e volta ao tempo o filme é fraco e não tem apelo para segurar as crianças até o final da sessão.
Assista ao trailer:

DÊ A SUA NOTA:
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas
Nenhuma avaliação. Seja o primeiro!
COMPARTILHE
Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.