Crítica: Eu Sou Mais Eu


Você se lembra da Kéfera Buchmann? Atriz curitibana que fez sucesso com seu canal do Youtube chamado 5inco Minutos? A menina cresceu e tem se destacado na carreira de atriz ao fazer novela e filmes. Kéfera aposta na sua visibilidade e além de estrelar o filme Eu Sou Mais Eu, ela também produz a nova aposta adolescente.
A trama é simples e conta a história de Camila Mendes (Kéfera Buchmann) uma cantora pop egocêntrica que após um encontro bizarro com uma fã é transportada ao seu passado, mais precisamente o ano de 2004. A adolescência de Camila não foi fácil, afinal ela era alvo constante de bullying junto com seu amigo Cabeça (João Cortês). Agora ela precisa encontrar uma forma de reverter a situação.


Eu Sou Mais Eu não traz grandes novidades para o cinema, mas o diretor Pedro Amorim (Mato Sem Cachorro) tem a responsabilidade de apresentar um filme interessante para os adolescentes. A história escrita por Angélica Lopes e L.G. Bayão é batida, já tivemos vários filmes que apostam em adulto voltando a adolescência ou adolescente se transformando em adulto e este longa tem elementos que lembram De Repente 30 e 17 Outra Vez, mas o que a produção brasileira tem de diferente é apostar na nostalgia. A obra fisga o público ao se preocupar com o figurino da época, situações e objetos como o celular Nokia e o Orkut e também a trilha sonora que faz com que a gente volte ao início dos anos 2000.


A produção cinematográfica possui um elenco enxuto, não aposta em grandes artistas jovens atuais e se foca basicamente em três atores: Kéfera Buchmann, Giovanna Lancellotti e João Côrtes. O maior destaque é Kéfera Buchmann (É Fada) que mostra que amadureceu em sua interpretação ao dar tudo de si ao papel sem perder o seu humor. A atriz ainda aposta em clichês ao interpretar uma cantora famosa, mas quando volta a adolescência fica mais natural. A atriz ainda tem muito a melhorar, mas quem viu seus primeiros filmes vai perceber a mudança.
Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.