Crítica: Lego Batman – O Filme


Em 2014 fomos surpreendidos por Uma Aventura LEGO, uma animação que trouxe tecnologia e ironia diferenciada. Neste filme foi possível perceber a inserção de personagens diferentes na história, entre eles estava o Batman – que mais roubou a cena. Por conta disso, o lançamento de Lego Batman: O Filme não foi exatamente uma surpresa.
A nova aventura da Lego apresenta Batman (Will Arnett) enfrentando e acabando com os planos de Coringa (Zach Galifianakis) que busca provar que é definitivamente o seu arqui-inimigo. O herói é praticamente uma celebridade em Gotham City. Enquanto o coringa resolve se juntar com outros vilões, o nosso herói precisa lidar com sua solidão e seu maior medo de ser parte de uma família novamente, que inclui seu mordomo Alfred Pennyworth (Ralph Fiennes), o jovem órfão Dick Grayson (Michael Cera) e a da nova comissária de polícia, Barbara Gordon (Rosario Dawson).


Já estamos acostumados a ver Batman em diversas releituras e adaptações, contudo neste spin-off temos um herói famoso em uma nova roupagem que inclui muita comédia, o oposto da personalidade do Homem-Morcego. A aventura conta com cinco roteiristas (Seth Grahame-Smith, Chris McKenna, Erik Sommers, Jared Stern e John Whittington) e apresenta um filme que ridiculariza seu protagonista, tirando sarro dos seus defeitos e méritos. A animação inclui referências dos filmes, desenho, quadrinhos e seriado e estes elementos funcionam com fator de humor divertindo também o público adulto.
LEGO Batman: O Filme consegue rir de si mesmo e isso graças ao diretor de animação Chris McKay, conhecido pela série Frango Robô que possui um tom sarcástico e figuras conhecidas. McKay tem o timing do humor – apesar de alguns momentos as piadas se tornarem cansativas – e a mistura do non sense.


Em termos de animação, o filme segue a estética “stop motion digitalizado” – mesma tecnologia adotada por Phil Lord e Chris Miller em Uma Aventura LEGO. Contudo, com o passar dos anos é possível perceber que a técnica está melhor, ainda é possível reconhecer as peças e que os personagens são bonequinhos, mas as cenas de ação parecem mais fluidas. O design de produção foi muito bem pensado, mesmo se utilizando da tecnologia, é possível ver o cuidado que a equipe teve na confecção de cenários e a riqueza de detalhes.
Quando o filme possui muitas piadas é preciso ter um cuidado com a dublagem. Na versão original temos Will Arnet, Zach Galifianakis, Michael Cera e Rosario Dawson, mas nas salas de cinemas brasileiros iremos encontrar a versão dublada e agora? Não se preocupe a performance e as piadas não perderam a graça, muito pelo contrário deixaram com um toque brasileiro.


LEGO Batman: O Filme tem suas qualidades, mas com piadas exageradas e o ritmo acelerado das lutas torna o filme cansativo. O tempo parece não passar mesmo durante as músicas e raps – não sei dizer se por conta da versão brasileira ou porque a ideia das músicas é realmente infantil.
Se em Uma Aventura LEGO tínhamos personagens os heróis, desta vez em LEGO Batman: O Filme temos diversos vilões como Voldemort e Sauron. Assim como Lego é uma brincadeira de criança, temos que entender que no mundo das pecinhas tudo é possível e embarcar nesta mistura de universos.
Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.