Crítica: Um Perfil Para Dois


Está chegando aos cinemas a mais nova comédia francesa, Um Perfil Para Dois. Diferente das comédias pastelão muito presentes no mercado cinematográfico americano e brasileiro, o filme de Stéphane Robelin é leve e nos faz sentar, apreciar, nos divertir sem sentir o tempo passar.
Acompanhamos a história de Pierre (Pierre Richard) um viúvo solitário que não sai de casa desde que perdeu sua esposa, há dois anos. Preocupada com a situação em que seu pai se encontra, a filha Sylvie (Stéphane Bissot) resolve contratar um professor particular para ensinar computação a Pierre. Alex (Yaniss Lespert) é o escolhido para dar as aulas ao avô de sua namorada, neta Juliette (Stéphanie Crayencour). Pierre começa a se familiarizar com o universo virtual e descobre um site de relacionamentos. Para conquistar um coração, o senhor resolve usar a foto de Alex e acaba conhecendo Flora (Fanny Valette). A brincadeira estava tranquila até que ela resolve marcar um encontro e agora Pierre precisa convencer o seu professor a substitui-lo.


O diretor e roteirista Stéphane Robelin (E se Vivêssemos Todos Juntos?) aposta em um longa-metragem singelo, mas com boas sacadas. A trama é simples, mas a abordagem funciona tão bem como entretenimento e ao mesmo tempo se discute o tema da solidão que é cada vez mais comum, mesmo que nos mantenhamos conectados com outras pessoas boa parte do dia.
Um dos destaques para Um Perfil Para Dois é a trilha sonora que embala o espectador com canções de jazz e músicas francesas e vão acrescentando o tom do filme. O diretor também aposta nos jogos de câmera para brincar com o tempo e o espaço que vão agregando a história contada.
Para um filme ser um sucesso a preocupação com o elenco tem que ser levada em consideração. O maior destaque, é sem dúvida, para Pierre Richard que se entrega ao idoso solitário que ao descobrir novamente o maor vai se transformando. O ator tem um carisma incrível, seu timing do humor e sua presença no longa com seus olhares apaixonados e trejeitos levam a história para um nível superior. Infelizmente não se pode dizer o mesmo dá atuação de Yaniss Lespert que entrega um Alex apagado, e apesar do personagem em diversas cenas ser alguém deprimente a desenvoltura do ator não está no mesmo nível da trama. Já Fanny Valete apresenta uma Flora doce e encantadora e leva o tom emotivo na medida certa necessária para a sua personagem.


O filme trata sobre o mundo virtual e suas farsas. Apesar de a sociedade atual viver conectada, em diversos momentos a solidão real toma e é ai que Um Perfil Para Dois aborda o amor trazendo os encontros e desencontros tão presentes em nossas vidas. O filme é uma mistura de gerações e relacionamentos, onde cada história e personagem vai se entrelaçando de forma natural e esta leveza é que faz a graça do filme europeu.
Um Perfil Para Dois é uma daquelas comédias sutis no qual sentamos em uma sala de cinema e esquecemos dos problemas da vida. Ao termino do filme tenho certeza que você se sentira mais leve e livre para amar.
Assista o trailer:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor

Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.