O Rio Negro São As Pessoas

(Crédito: Maringas Maciel)

A Cinemateca de Curitiba recebe no dia 18 de junho o documentário “O Rio Negro São As Pessoas”, dirigido por João Tezza Neto e Juliana Barros que é uma coprodução Paraná/Amazonas e revela a dinâmica da vida da comunidade ribeirinha da região do baixo Rio Negro, no entorno do Parque Nacional de Anavilhanas, na Amazônia. A exibição será seguida de debate com os convidados José Álvaro da Silva Carneiro, Mary Allegretti e Natalie Unterstell. A programação também conta com o lançamento do livro fotográfico “O Rio, As Pessoas, O Filme” do fotógrafo Maringas Maciel e da fotógrafa Bárbara Umbra.
As duas obras apresentam personagens e situações em comunidades e cidades ribeirinhas, num recorte geográfico abrangendo a região do baixo rio Negro, no entorno do arquipélago de Anavilhanas. O livro e o documentário são resultados de uma coprodução entre Ave Lola Espaço de Criação (PR) e Árvore Alta (AM).
No lançamento em Curitiba, estará presente na plateia a personagem Graziela Santos. Com apenas 23 anos, a arqueira indígena amazonense Graziela Santos, da etnia Karapana, ocupa o 1º lugar ranking brasileiro de arquearia e neste mês competirá no Mundial de Tiro com Arco da Holanda, que servirá de etapa classificatória para os Jogos Olímpicos de Tokyo, em 2020.
O Rio Negro São As Pessoas é resultado da profunda investigação do diretor curitibano João Tezza Neto, que há dez anos vive na região trabalhando em projetos para geração de renda e contenção do desmatamento na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro.
Essas comunidades são do interior, mas tem forte relação com Manaus e isso estabelece uma dinâmica social específica e uma cultura própria, revelando valioso patrimônio imaterial. O processo foi construído com muita paciência, tranquilidade e delicadeza por todos os envolvidos. Espero que de algum modo contribua para a sociedade em geral valorizar o modo de vida simples e típico dessas comunidades. O papel deles é crucial para conservar a biodiversidade e eles precisam ser reconhecidos e fortalecidos. Quem sabe, de algum modo, essa obra ajude a sociedade a entender melhor esse contexto de riqueza humana e material que tanto precisa ser valorizado.”, diz João Tezza Neto.
Para codirigir o filme, Tezza convidou a diretora acreana Juliana Barros: “O filme revela os Brasis, dentro de um país continental, tão pouco conhecido para maioria. ‘O Rio Negro São As Pessoas’ é um mergulho nessas águas escuras, de histórias profundas dessa gente.
Sobre o projeto
Conhecer a Amazônia brasileira e as pessoas que nela habitam é uma forma de compreender a pluralidade cultural existente neste país de dimensões continentais e realidades tão distintas. Por esse motivo, este projeto nasceu com o intuito de registrar de uma forma sensível as pessoas que vivem às margens do Rio Negro, um cotidiano que tanto se mistura aos mitos amazônicos quanto se distancia do imaginário comum dos que estão maisafastados da Floresta.
Sobre o filme
Na região do baixo rio Negro, no entorno do Parque Nacional de Anavilhanas, o documentário O Rio Negro São As Pessoas procura revelar a dinâmica da vida ribeirinha: o que é crescer livre, nadando num rio imenso e escuro; o que é a necessidade de partir, o desejo esquecido de voltar e a escolha por ficar. São gerações que resistem em terras que foram conquistadas antes mesmo do Brasil e que, ainda hoje, o Brasil pouco conhece.
Serviço
Data: 18/06/2019
Horário: 18h30
Local: Cinemateca de Curitiba (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 – São Francisco)

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.