O Modalismo na MPB

Nesta quinta-feira, 23, o maestro, músico e pesquisador Vicente Ribeiro vai lançar o livro O Modalismo na Música Popular Brasileira durante a Oficina de Música de Curitiba, com um sarau comentado que acontece no Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº), com entrada gratuita. O autor, que também é violonista, vai se apresentar com os músicos Fabio Cardoso (piano) Thiago Duarte (baixo acústico), Thales Lemos (bateria) e os cantores Suzie Franco, Fernanda Sabbag e Lucas Franco. No programa do show serão interpretadas músicas do repertório modal dos compositores Luiz Gonzaga, João do Vale, Baden Powell, Dorival Caymmi, Edu Lobo, Tom Jobim, Gilberto Gil e Caetano Veloso, que estão no livro.

Vicente Ribeiro conta que trouxe para esse lançamento parte das composições que ele analisa na sua obra. O autor divide os compositores em quatro grupos, com abordagens distintas, do modalismo na MPB: as matrizes “nordestina” (João do Vale e Luiz Gonzaga) e “afro-brasileira” (Baden Powell e Dorival Caymmi), e as vertentes estéticas “nacionalista” (Tom Jobim e Edu Lobo) e “tropicalista” (Caetano Veloso e Gilberto Gil).

Se no livro O Modalismo na Música Popular Brasileira Vicente Ribeiro exemplifica seu trabalho comentando as partituras das canções, no Teatro Paiol, o público vai poder conhecer de forma prática o que é o modalismo durante uma apresentação que vai levar a plateia a um mergulho profundo na música brasileira. “No show passeamos por cada uma dessas quatro vertentes. O repertório do espetáculo é uma amostra do livro, que tem 30 músicas analisadas”.

A pesquisa sobre o “Modalismo na Música Popular Brasileira” de Vicente Ribeiro começa em 2005 e, desde então, ele vem se aprofundando no tema. Primeiro com o trabalho de conclusão acadêmica, depois como tese de mestrado e agora no doutorado. Mas ele explica que muitos dos autores das músicas, provavelmente, não tinham ideia do que estavam fazendo. “Principalmente Gonzaga e João do Vale, que eram compositores mais intuitivos, compondo a partir de uma tradição oral. Já compositores como Jobim, Baden, Caetano, Edu, Caymmi e Gil demonstram, em alguma medida, uma consciência do modal ou, pelo menos, a busca de uma sonoridade diferente”.

Mas o que é a música modal? Vicente explica que existe um senso comum sobre a música em geral, de que ela é construída a partir das sete notas musicais, que formam a chamada “escala maior”. Mas, ele chama atenção, essa é apenas uma das possibilidades de recorte no continuum sonoro, que inclui muito mais sons além das sete notas conhecidas. Com outros recortes, a sonoridade da música pode variar bastante. “Na música modal há outras escalas, outros recortes, como o chamado modo ‘mixolídio’, que aparece em composições como ‘Baião’ ou ‘Juazeiro’, de Luiz Gonzaga, ‘Tropicália’ de Caetano Veloso ou ‘Pato Preto’, de Jobim”, pontua o pesquisador.

Para o autor do livro, esses recortes diferentes fogem da escala tonal – que está presente na música clássica, no choro, no samba, e em boa parte da música pop. “O modal remete a outros ‘lugares sonoros’, como as músicas nordestina, celta e ibérica”. Vicente observa que, enquanto a estrutura da música tonal é mais narrativa, a música modal é mais circular. “Como as escalas modais têm recortes diferentes, elas te transportam para lugares imprevisíveis”.

Serviço

Sarau O Modalismo na Música Popular Brasileira – Lançamento do livro homônimo do maestro, músico e pesquisador Vicente Ribeiro.

Data: 23/01/2020

Horário: 19 horas

Local: Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº).

Entrada gratuita

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.