A nostalgia de Rouge

O Em Cartaz pegou a máquina do tempo do De Volta Para o Futuro para conferir o show do Rouge. Calma, é tudo brincadeira. Estamos em 2018, mas a girlband está de volta mais unida do que nunca. O anuncio da volta das meninas aconteceu em setembro de 2017 e fez a internet parar. Sim, Aline Wirley, Fantine Thó, Karin Hils, Li Martins e Lu Andrade estão de volta e se apresentaram em Curitiba na última sexta-feira, 09, na Live Curitiba.
Quem não lembra de Ragatanga? Você provavelmente já cantou “Aserehe ra de re/ De hebe tu de hebere seibiunouba mahabi/ An de bugui an de buididipi”. O clima de nostalgia invadiu a casa de show de Curitiba ainda antes da apresentação do Rouge. Enquanto o público esperava pelo show “Rouge-15 anos” um DJ colocava os curitibanos para dançar com canções antigas como sucessos do RBD, Sandy e Junior e Kelly Key – o que isso tem em comum? Todos estes artistas marcaram a infância e a adolescência daquelas pessoas que aguardavam ansiosos pelas meninas.
Com atraso de quase uma hora, o quinteto subiu ao palco com direito a coreografia, jogo de luzes, fumaça e muita dança em Blá Blá Blá. A segunda música da noite foi algo lançado este ano, o single Bailando. Ainda no início do show a cantora Karin Hils rasgou seu figurino e da lateral do palco soltava sua voz poderosa, enquanto a produção tentava ajeitar a situação. Neste momento foi possível perceber que as desavenças do passado ficaram de lado e que o Rouge está mais unido do que nunca, afinal cada uma deu mais de si para suprir a falta da integrante nos momentos iniciais.

O show, com quase duas horas de duração, foi marcado por hits que fizeram sucesso entre os anos 2002 e 2006. Todos os quatro discos da banda foram lembrados com canções como Não Dá Pra Resistir, Beijo Molhado, Sou Oque Sou, Depois Que Tudo Mudou, Anjo, C´est La vie, Vem Habib, Vem Cair na Zueira, Olha Só e Popstar.
O Rouge está mais maduro é verdade, mas a energia que tomou conta da Live era aquele clima inocente de infância. É possível ver que todo mundo ainda tem uma criança guardada, afinal homens e mulheres repetiam as coreografias guardadas na memória – principalmente em Ragatanga e Brilha La Luna, em outros momentos foi possível ver o público abraçando amigos e cantando a plenos pulmões aquelas canções que nos remetem a um tempo distante, mas agradável de nossa infância e adolescência.
A noite foi marcada por muitos imprevistos, mas nada abalou a confiaça da banda que seguiu firme e forte e segurou o show do começo ao fim com uma animação digna de adolescentes, afinal parece que o tempo nunca passou e que estamos vivendo novamente os anos 2002.
O Em Cartaz não podia deixar passar a oportunidade e conversou com o Rouge sobre o retorno e os novos planos, afinal queremos vida longa à banda! Confira:

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.