Minha Vida em Marte

O Teatro Guaíra recebe no dia 15 de setembro a atriz Mônica Martelli com a comédia “Minha Vida em Marte”. O espetáculo, de sua autoria e direção de Susana Garcia, é a continuação do grande sucesso, que também virou filme, “Os Homens São de Marte… E é pra Lá que eu Vou”.

Minha Vida em Marte é a continuação da saga de Fernanda, personagem que surgiu pela primeira no teatro em 2005, quando Mônica Martelli lançou a comédia Os Homens São de Marte… E é pra Lá que eu Vou sem imaginar o sucesso que a peça protagonizada e escrita por ela alcançaria. Nem tampouco esperava a reviravolta que Fernanda, a personagem que criou para falar de amor e discutir o empoderamento feminino (muito antes da expressão cair no gosto popular) faria em sua trajetória pessoal.

Doze anos depois, aos 48 anos, Mônica repete o sucesso de sua peça precursora. Minha Vida em Marte, dirigida pela irmã Susana Garciatraz de volta Fernanda, agora com 45 anos, à procura de respostas para a sobrevivência conjugal. “Demorei para fazer esta peça porque sei que só é possível falar com propriedade sobre um assunto quando se consegue olhar para ele com distanciamento”, resume a autora que, tal qual sua personagem, conhece a fundo a dor da separação. Tendo como suporte suas próprias experiências, Monica leva ao teatro um monólogo bem-humorado que aproxima através do riso e leva homens e mulheres à reflexão. E assim a atriz se confirma como uma das autoras brasileiras que melhor traduzem o comportamento feminino moderno.

Se Em Os Homens São de Marte… Fernanda estava em busca do amor, em Minha Vida em Martea personagem agora está casada há oito anos com Tom, com quem ela teve uma menina de 5 anos: Joana. Este é o pano de fundo para a protagonista se questionar na terapia de grupo. É nas sessões de análise que ela narra e vivencia deliciosamente as alegrias e os muitos problemas do seu casamento. Ali ela expõem assuntos íntimos, como por exemplo a falta de tesão, ou as tentativas de “trabalhar a relação”, e percebe que nas relações estagnadas, adia-se o afeto e acumula-se mágoas. “É muito comum no casamento que a gente deixe para amanhã a ternura, o sexo e a tolerância. E quando percebemos, a família que tanto sonhamos está por um fio”, revela Mônica sobre o destino de Fernanda.

Serviço

Data: 15/09/2019

Horário: 19h30

Local: Guairão (Rua XV de Novembro, 971)

Ingressos:

Plateia: R$ 130,00 a R$ 150,00 (inteira)

Balcão 1 – R$ 100,00 (inteira)

Balcão 2 – R$ 80,00 (inteira)

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.