O Musical Mamonas

(Crédito: Carlos Costa)

No final do mês de abril, os curitibanos terão a chance de relembrar a ascensão meteórica dos Mamonas Assassinas que teve sua trajetória tragicamente interrompida em março de 1996 . O espetáculo “O Musical Mamonas” já foi assistido por mais de 60 mil pessoas no país e chega a Ópera de Arame, com realização local da Seven Entretenimento e ArteRec Produções. Uma excelente oportunidade para os fãs relembrarem os shows da banda, que se apresentou na capital paranaense em setembro de 1995.
Mais sobre O Musical Mamonas
A banda Mamonas Assassinas entrou para a história como o maior fenômeno da indústria fonográfica brasileira, tendo vendido mais de três milhões de cópias no primeiro e único disco. O Musical Mamonas relembra essa trajetória impactante sob a direção do aclamado José Possi Neto.
A dramaturgia não é linear e sim irreverente, como o perfil teatral do Mamonas Assassinas. O olhar dos cinco meninos de Guarulhos está retratado no texto. É como se o Dinho, Bento, Samuel, Júlio e o Sérgio contassem a trajetória do grupo desde o tempo em que eram desconhecidos, quando animavam festas de condomínios, até o reconhecimento nacional”, detalha o autor Walter Daguerre.
Para a montagem, o diretor e a produção selecionaram 16 profissionais entre 1500 que participaram dos testes para escolha do elenco. José Possi Neto destaca que “os Mamonas são herdeiros diretos de Oscarito e Grande Othelo, de Dercy Gonçalves, do Velho Guerreiro e dos Trapalhões”. Os atores Ruy Brissac, Adriano Tunes, Elcio Bonazzi, Arthur Ienzura e Yudi Tamashiro formam o quinteto que teve uma carreira apoteótica nos anos 90 e que, num terrível acidente aéreo, há 20 anos, deixou a cena pop brasileira. “Eu jamais ousaria encenar essa aventura se não encontrasse verdadeiros talentos para encarná-los”, revela o diretor.
A ideia de realizar um espetáculo em homenagem ao Mamonas Assassinas surgiu numa conversa informal entre amigos. “Falei com meus sócios Túlio Rivadávia e Márcio Sam, que ficaram superempolgados”, detalha Rose Dalney da Miniatura9 Produções. Rose conta que o trio não apenas produziu, mas também colaborou em todo o processo de elaboração da trama. Walter Daguerre, o mesmo autor de “Jim, o Musical” traz para o texto uma estética de brincadeira que permeia todo o espetáculo, apresentando a mesma descontração e escracho que a banda demonstrava dentro e fora dos palcos. A direção de José Possi Neto constrói uma narrativa não linear como forma de explorar ainda mais o humor. Os figurinos de Fábio Namatame, entre eles as fantasias de presidiários, Robin e Chapolin, ressaltam a comicidade do musical.
O espetáculo tem arranjos inéditos e releituras adaptadas, feitos por Miguel Briamonte, diretor musical, que também compôs canções originais e paródias com a colaboração de todo o elenco. A banda toca ao vivo no palco e é composta por cinco músicos, responsáveis por levar ao coração do público sucessos como “Vira-Vira”, “Robocop Gay”, “Sabão Crá-Crá” e “Pelados em Santos”. Vanessa Guillen é a responsável pelas coreografias. A luz é de Wagner Freire e cenário de Nello Marrense.
Serviço
O Musical Mamonas
Data: 29 e 30/04/2017
Horário: Sábado, Às 21h30 e domingo, às 20h
Local: Ópera de Arame (R: João Gava, 874)
Ingressos: De R$35,00 a R$130,00, de acordo com o setor.
Plateia Verde/Camarote Superior e Inferior – R$70,00 (meia-entrada) e R$130,00 (inteira);
Plateia Azul – R$55,00 (meia-entrada) e R$100,00 (inteira);
Plateia Amarela – R$45,00 (meia-entrada) e R$80,00 (inteira);
Plateia Rosa – R$35,00 (meia-entrada) e R$60,00 (inteira).
Censura: 12 anos. Menores acompanhados pelos pais ou por um responsável legal
Informações: 41 33150808

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor

Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.