Os Guardas do Taj

(Crédito: Annelize Tozetto)

O Festival de Teatro de Curitiba recebe o espetáculo “Os Guardas do Taj” que estreou em Portugal. Os atores Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi interpretam texto do premiado dramaturgo Rajiv Joseph, nos dias 7 e 8 de abril, no Guairão.
O ator, americano e filho de pai indiano, cresceu ouvindo histórias da terra de sua família, razão pela qual transformou uma lenda do Taj Mahal em pano de fundo para o espetáculo. A adaptação brasileira conta com direção de Rafael Primot e João Fonseca e reflete de forma atual sobre amizade, lealdade, subserviência e poder.
Segundo a lenda, após a inauguração do Taj Mahal, no século 17, o xá Jahan teria ficado deslumbrado com o mausoléu construído em memória a sua mulher. Para que não se pudesse criar um monumento semelhante, tão grandioso, o governante teria ordenado que cortassem as mãos dos 20 mil homens que trabalharam na edificação.
Essa é uma das muitas histórias dramáticas que cercam o Taj, no entanto, o autor escolheu trabalhar o contexto histórico de forma leve, lançando mão de recursos cômicos, se aproximando do absurdo. O ano é de 1648 e os dois guardas imperiais estão em pé e de costas para o ainda oculto Taj Mahal. Um deles, Babur (Ricardo Tozzi) demonstra uma personalidade curiosa e questionadora, enquanto o outro, Humayun (Reynaldo Gianecchini) é pura ortodoxia e obediência. Amigos desde a infância, os personagens acabam se confrontando diante das regras impostas, exibindo formas distintas de ver o mundo.
Designados a proteger o palácio, os dois guardas são proibidos de olhar a imensurável beleza da obra, que é ao mesmo tempo símbolo de injustiças e abusos de um inescrupuloso imperador. Submetidos aos mandos do déspota, os dois amigos acabam escalados para uma tarefa desprezível, provocando neles profunda crise existencial, que abalará suas crenças no Império e nos outros humanos.
O texto do americano Rajiv Joseph reflete sobre o preço pago ao longo da história para realizar os caprichos dos poderosos, mesmo quando resultam em maravilhas arquitetônicas que, em última análise, servem aos olhos das massas. Em relação a montagem de estreia, a versão brasileira, produzida pela Morente Forte em parceria com a lusitana Plano 6, apresenta pequenas mudanças no cenário, que foi reconstruído aqui.

Confira a entrevista de Gianecchini, Tozzi e Primot a respeito da peça:

Serviço
Data: 07 e 08/04/2018
Horário: Sábado, 21h, e domingo, 19h
Local: Teatro Guaíra
Ingresso: R$70 e R$35

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.