Prólogo Canino-Operístico

Companhia Brasileira de Teatro recebe o ator e diretor mineiro Marcelo Castro em seu primeiro trabalho solo na mostra Fringe do Festival de Curitiba. Em atuação solo, o artista encena “Prólogo Canino-Operístico”, entre os dias 06 e 08 de abril, um dos poemas do Livro das Postagens (2016), o último publicado pelo escritor Carlito Azevedo.
Um cão, enclausurado em um teatro, vê-se na obrigação de improvisar. Este texto materializa-se no teatro em um momento onde o contexto político brasileiro exige reflexão e tomada de postura crítica. Para o ator e diretor, o texto é um chamado à ação. Carlito Azevedo, faz uma dura crítica sem se eximir, questionando a sociedade como um todo, e Marcelo Castro afirma: “Senti que deveria montá-lo com urgência, pois o contexto da nossa catástrofe política precisa dessas palavras mesmo que ditas dentro de um minúsculo cubo. Num mundo com tamanha crise de presença, em que estamos construídos de virtualidades e simulacros, um cão pede que sigamos com os olhos bem abertos. Levar isso à cena é o que posso fazer nesse momento, partilhar essas palavras, me pareceu uma tomada de posição ética absolutamente necessária”.
A peça também rememora outro personagem vivido por Castro há doze anos, na peça “Por Elise”, responsável por colocar o grupo Espanca! em evidência no cenário nacional da dramaturgia. Naquela ocasião, Marcelo também deu vida a um Cão: “Eu gosto deste arquétipo.  Há um conto do Marcílio França Castro no qual ele diz que se não fosse pelo eterno farejar dos cães o mundo desmoronaria. Nas orientações da Grace Passô, que dirigiu “Por Elise”, podia-se ler o seguinte: ‘O cão é a representação da verdade. A ação da verdade é latir. Latir é a reação mais fiel ao instante’,” relembra.
Desta vez, em “Prólogo Canino Operístico”, o personagem se dirige à plateia dizendo que é obrigado a estar ali, naquele teatro, sem saber exatamente sua função. Posicionado em um cubo preto, o cão explicita nossa falta de ação diante da barbárie e escancara nosso confinamento voluntário diante de pequenas telas onde somos espectadores domesticados de nós mesmos.
A peça transita entre o teatro e a performance. Com duração de cerca de 40 minutos, ausência de cenário e ênfase no texto, Marcelo Castro acredita que o solo traz elementos de ambas as linguagens e busca se aproximar da poesia. “Minha proposição atual é fazer um teatro-poema, um teatro implicado em criar e compor.


Serviço
Prólogo Canino-Operístico
Data: 6, 7 e 8/04/2018
Horário: 20h
Local: Companhia Brasileira de Teatro (R. José Bonifácio, 135 – Largo da Ordem)
Ingressos: R$20
Classificação: 14 anos

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.