TEATRO: FUI!

(Crédito: Elenize Dezgeniski)

A CiaSenhas apresenta sua primeira montagem juvenil, a partir do dia 25, no Auditório Antônio Carlos Kraide (Portão Cultural). A peça “Fui!” é livremente inspirada na obra literária Tchick, de Wolfgang Herrndorf, e traz quatro personagens que se encontram após 15 anos para lembrarem e reviverem as experiências que compartilharam quando eram jovens. Temas como amizade, solidão, confiança e sexualidade são abordados no contexto dos adolescentes do século XXI.
Uma “viagem” por um território de descobertas é a tônica deste espetáculo que possui uma linguagem ágil, repleta de humor e que busca a interlocução com o público jovem, seus desejos e conflitos. É um convite que o teatro faz para uma conversa aberta e divertida sobre e para a juventude.
FUI! se relaciona intimamente com a progressão de vida de uma geração, suas crises, desejos, delicias, lembranças e todas as sortes de mudanças. Um encontro com questões cotidianas ressignificadas de quem vive a juventude.
A direção e a dramaturgia são de Sueli Araujo e a assistência de direção de Anne Celli. Em cena Ciliane Vendruscolo, Greice Barros, Luiz Bertazzo e Rafa de Lari. Na equipe de criação, Amabilis de Jesus assina o figurino, Paulo Vinícius o cenário, Ary Giordani o desenho de som e Wagner Corrêa o desenho de luz.
Além das apresentações abertas,acontecerão 8 sessões destinadas para alunos das escolas públicas. O grupo oferece ao final de cada apresentação, um mini-workshops com o público a fim de expandir conceitos, escolhas poéticas e temas presentes no trabalho; também está programada uma oficina de teatro para professores das redes públicas de ensino.
Serviço
FUI!
Data: De 25/05 a 09/06/2019
Horário: sábados e domingos às 17h
Local: Auditório Antônio Carlos Kraide – Portão Cultural (Av. República Argentina, 3430)
Entrada franca
Classificação indicativa: 12 anos

Tamie Ono Lor
Tamie Ono Lor
Tamie é jornalista e possui especialização em Novas Tecnologias da Comunicação. Ela está sempre querendo absorver um pouco do mundo que a cerca, de preferência com uma câmera na mão. A oriental respira cultura e seu trabalho é também sua diversão.